Astrologia Chinesa: 2017 é o ano do Galo de Fogo

galodefogo

O Ano do Galo traz-nos boas perspetivas de sucesso e triunfo, mas lembra-nos que só podemos alcançar as nossas metas com trabalho árduo, paciência e perseverança. Podemos obter boas recompensas, mas elas não nos cairão no colo. O Galo de Fogo chama-nos à ação e incita-nos a ir à luta – como um galo.

Para além do signo que rege cada ano, o Zodíaco chinês identifica também um Elemento que exerce uma maior influência e que cria variações na energia de cada signo. Este ano, do Galo, será regido pelo Elemento Fogo, mas um Fogo com uma energia “Yin”, feminina, que desperta o nosso calor interior, o gosto por prazeres mais caseiros, a importância dos laços de família. Podemos ser tomados por recordações de um passado distante, retomar projetos e ideias que havíamos deixado esquecidos na gaveta há muito tempo.

Os anos regidos pelo signo Galo são marcados pela ação, pela justiça ou pela necessidade dela, por notícias bombásticas e pela necessidade de ações lógicas. 

Neste ano, tal como aconteceu em 2016, o Elemento Fogo é predominante; conjugada com a energia do Galo, desaconselham-se os riscos imprudentes, as ações que não são devidamente pensadas, os riscos que não são avaliados devidamente. Qualquer passo pode ganhar proporções inimagináveis, por isso é necessário ser mais prudente e refletir bem antes de tomar decisões importantes neste ano: todas as ações são exacerbadas.

Os períodos mais auspiciosos ao longo do ano serão o Outono e as duas semanas finais de cada estação: é nesses períodos que a energia estará mais estável, pois o elemento Terra tem maior influência nessas fases.

A nível político o Ano do Galo de Fogo pode trazer tensão e conflitos, pois os ânimos estarão exaltados já que o Galo tende a ser muito impulsivo. A migração motivada pela guerra e pelas mudanças climatéricas intensificará ainda mais o clima e hostilidade e a tensão entre povos.

O Galo é, por natureza, vaidoso e exibicionista: este ano favorece a ascensão de novas estrelas no mundo da música e do espetáculo, personalidades carismáticas que causarão um forte impacto.

A nível particular, o Ano do Galo pode trazer o tão desejado sucesso à vida daqueles que se têm empenhado com esforço e dedicação a um projeto pessoal. Também é um ano que favorece as mudanças, a criatividade, a inovação. É um bom ano para mudar completamente de vida, iniciando um novo capítulo a nível profissional, material ou pessoal.

E a nível de relacionamentos, o que nos espera?

Para quem está solteiro, este ano é bastante favorável para começar um novo relacionamento. No entanto, o Ano do Galo de Fogo também pode por um fim súbito, ou impor a uma drástica mudança, em relacionamentos que poderiam avançar para um compromisso mais sério. Uma mudança súbita de residência, uma surpresa inesperada ou qualquer alteração de planos pode criar uma reviravolta no destino.

Os bebes nascidos neste ano serão temperamentais e voluntariosos, caraterizados pela personalidade forte e determinada do Galo de Fogo. Aqueles que nascerem na Primavera serão, ainda assim, mais dóceis.

Embora este ano traga bastante tensão e o equilíbrio seja difícil de manter, é também favorável aos casamentos: curiosamente a cor vermelha, que é a cor dominante neste ano, é também a cor dos vestidos de noiva na China (sabia que o branco é, para os orientais, a cor do luto?).

Como aproveitar a energia deste ano?

Para equilibrar a energia do Galo de Fogo deverá dar mais destaque à energia do Elemento Terra, que lhe traz a estabilidade de que o impetuoso Galo de Fogo muitas vezes carece. Assim, os objetos de cerâmica podem e devem ser usados na decoração; os tons amarelos e tons terra no vestuário e nos acessórios. Deve evitar-se o uso excessivo da cor vermelha, que domina o ano, para não aumentar a energia de tensão e conflito.

Maria Helena

A ARTE DA GRATA ACEITAÇÃO

agora13402

Uma vida que não conhece a tristeza, as lágrimas, permanece pobre. A vida precisa conhecer uma variedade enorme de experiências para tornar-se rica. Quanto mais você conhecer diferentes aspectos da existência e ainda assim continuar inteiro e centrado, mais a sua vida se enriquecerá a cada momento, a cada dia.

Olhe sempre para a vida como um processo dialético. Nesta vida, a noite traz o dia. Nesta vida, a morte traz uma nova vida. Nesta vida, a tristeza traz uma nova alegria. Nesta vida, o vazio traz um novo preenchimento. Tudo está em conexão… tudo é parte de um todo orgânico.

Nós criamos os problemas por dividir as coisas. Aprenda a arte de não dividir, e simplesmente continue alerta, vigilante, apreciando o que quer que a vida lhe proporcione.

Apenas lembre-se de uma coisa: aceitar tudo que a vida lhe dá. Se ela lhe dá escuridão, aprecie isso, dance sob as estrelas da noite escura, lembrando-se de que cada noite não é nada mais do que o útero para um novo alvorecer, e que cada dia irá novamente descansar na escuridão da noite.

Quando é outono e as árvores ficam nuas e todas suas folhas caem, observe as velhas folhas voando ao vento, quase dançando. E as árvores, nuas, têm a sua própria beleza e, contraste com o céu; mas elas não irão continuar nuas para sempre. As velhas folhas tiveram que cair apenas para dar lugar às novas folhas, às novas flores.

A existência continua a renovar a si mesma a todo momento. Você deveria manter-se sintonizado com a existência; nunca peça por nada diferente.

Esta é a raiz básica da miséria: quando é noite, você chora pelo dia; quando é dia, você chora pelo repouso da noite. Então, a vida torna-se uma miséria, um inferno.
Você pode torná-la um paraíso apenas por aceitar o que quer que lhe seja dado, com um coração agradecido. Não julgue se é bom ou mau. Sua gratidão transformará tudo em uma bela experiência, aprofundará sua consciência, elevará o seu amor e fará de você uma bela flor com muita fragrância.

Aprenda apenas a arte de uma grata aceitação. Buda chamava a isso de filosofia do assim é; não importa o que for, aceite isso como a própria natureza da realidade. Nem mesmo imagine ir contra. Nunca vá contra a corrente; apenas siga o rio onde quer que ele o leve.

Osho