Arcano da Semana – A Torre

crowley-16

O primeiro ponto importante é que temos que ter consciência de que apenas cai aquilo que não tinha uma base sólida o suficiente para aguentar o raio ou o terremoto. Cai o que não tinha estrutura para se sustentar e por isso, se vem a queda, é porque nem tudo era assim tão seguro como imaginávamos. Isso significa que quando cai a Torre, podemos ver ali na carta que a base continua, ou seja, tudo aquilo que foi bem construído se mantém, o que permite que uma nova construção seja feita em seu lugar.

Além disso, temos que perceber que o que cai na verdade são as máscaras, é aquilo que usamos para nos proteger do mundo e nós mesmos. Criamos falsas estruturas para fugir da realidade e nos proteger inclusive da nossa essência. Nos prendemos no castelo e quanto mais alta essa torre que construímos, maior será a nossa queda.

Por isso, um dos conselhos que a carta da Torre nos dá é que sempre temos a opção de fazer a mudança por bem, de descer do topo do castelo antes que seja tarde demais. O raio está a caminho e vai nos lançar. Por isso, melhor sairmos na frente e fazer a mudança logo de uma vez.

Além disso, temos que ter esperança, lembrando que o próximo arcano é a Estrela, arcano da fé e da liberdade. Só que para vivermos toda felicidade que o próximo arcano nos promete, temos antes que nos despir de todas as falsas verdades e estruturas que cercam a nossa vida. Temos que nos lançar livres de tudo que nos aprisiona e que nos limita. Temos que abandonar tudo que não serve mais, pois só assim conseguiremos construir uma realidade mais profunda e verdadeira.

Em outras palavras, a carta da Torre pede mudanças e elas são inevitáveis. Podemos, com elas, ser levados ao fundo do poço, mas só assim conheceremos profundamente a nós mesmos e nos fortaleceremos para seguirmos adiante.

A carta da Torre, muitas vezes e justamente por tudo isso, é a grande oportunidade que a pessoa tem de se libertar daquilo que não serve mais e que ela não sabe como fazer. É, muitas vezes, o empurrão que a pessoa precisa para transformar e se libertar.

Por isso, quando estamos vivendo a Torre, temos que aprender a desapegar e acreditar que se a mudança for bem feita, logo vem a Estrela e então podemos reconstruir tudo do nosso jeito, sem falsas verdades e sem medos, de acordo com nossa própria verdade e rumo à verdadeira felicidade.

Por Titi Vidal

Gratidão: o segredo das pessoas felizes.

gratidao

A gratidão pode te fazer feliz. Ser grato é uma capacidade que, uma vez adquirida, transforma seu olhar sobre o mundo, sobre a vida, sobre as pessoas e sobre cada acontecimento.

Há quem diga que o brasileiro é um povo feliz, otimista, que tende sempre a enxergar o lado cheio do copo, porém, o que a observação tem me mostrado é que os otimistas são, na verdade, indivíduos que conseguem sentir gratidão – sejam brasileiros ou não sejam.

Aprendi uma vez assistindo a uma entrevista que: mais importante do que dizer obrigada é dizer um “muito obrigada” com entusiasmo a tudo de bom que nos acontece.

A motivação é imprescindível para quem quer iniciar o treino de agradecer ao invés de reclamar. Isso tem sido proposto por muitos profissionais que já perceberam que o comportamento de ser grato pode mesmo fazer milagres.

A capacidade de manter o pensamento positivo, de ter sempre o olhar voltado para o lado bom das coisas (e acreditem: tudo, tudo mesmo tem um lado bom) e o hábito de agradecer todos os dias vai nos levando lentamente a uma mudança de paradigmas, de valores – e essa mudança pode ser uma das responsáveis pela nossa felicidade.

Indivíduos que reclamam muito são aqueles que desenvolveram padrões de pensamentos e comportamentos pessimistas. Se fizermos um treino, poderemos perceber que, para cada evento, para cada acontecimento em nossa vida, existe o nosso olhar, o nosso sentir, o nosso pensar, o nosso interpretar. São eles que podem transformar aquela experiência em algo positivo ou negativo. A grande força está nas “lentes” com as quais os nossos olhos enxergam a vida. Podemos olhar para o trânsito congestionado, para o apagão da energia elétrica, para a implicância da colega de trabalho e para o peso que aumentou na balança no último fim de semana como grandes catástrofes. Podemos reclamar da bagunça que as crianças fazem em casa, podemos detestar a chatice daquela pessoa que insiste em saber como estamos, podemos reclamar por ter que ir ao supermercado lotado e desejar a morte ao cachorro do vizinho que late a noite inteira.

O que faria uma pessoa grata em cada uma dessas situações?

Sim, porque a vida delas não é perfeita. Elas são felizes, apesar de.

Felizes por irem de carro ao trabalho e por não precisarem enfrentar a humilhação que é andar de transporte público no nosso país. Gratas pela luz elétrica existir ao perceberem que só damos valor a ela quando não a temos, e também por terem se lembrado de comprar velas para quando vierem os apagões.

Elas também agradecem por terem um trabalho, afinal de contas, talvez existam colegas chatas em todos eles e talvez também sejamos chatos aos olhos dos outros, todavia, trabalhar é preciso e ter um emprego é motivo de gratidão sempre. Uma pessoa grata e feliz curte o final de semana e jamais se escraviza por algo que valha mais do que sair da dieta para comer e beber com os amigos ou com a família.

Gente grata adora a bagunça das crianças porque isso é sinal de que estão bem e estão saudáveis. Elas valorizam os amigos, principalmente, os que se preocupam com elas enviando mensagens e querendo saber como elas estão. Eu particularmente aprendi que pouquíssima gente se importa de verdade comigo e como consequência disso, priorizo os poucos que me dedicam alguma atenção em tempos tão solitários. Sobre o supermercado, todos nós devemos ser gratos por poder estar na fila imensa – há muitos que gostariam de estar lá, comprando pelo menos o necessário.

E quanto ao cachorro da vizinha: ah… pessoas gratas e felizes costumam ter cachorros e amam incondicionalmente todos eles, sejam do vizinho, sejam das ruas – além do mais, elas dormem bem. Dizem que insônia é coisa de gente infeliz e de consciência pesada.

A gratidão pode ser uma das portas para a felicidade, exatamente por que as pessoas gratas são sempre felizes. Agradeça, agradeça muito e sempre. Caso esteja lendo essas palavras em um dia ruim, agradeça por poder ler, pela cama para dormir, por poder se alimentar. Pare de olhar para o que não existe, para o que não pode, para o que não está, para o que não é.

Enquanto você lamenta, reclama, agride e recita aqueles famosos versos da hiena Hardy “ó dia, ó céus, ó azar”; alguém ao seu lado solta uma gargalhada, afinal, já que é para imitar as hienas, que seja pelo que elas fazem de melhor: rir!

Dentro de cada um de nós há uma guerra constante entre duas energias, que eu prefiro deixar aqui ilustradas apenas como o lado cheio e o lado vazio do copo. Quem sofre pela água que não tem, deixa de beber a que está ali disponível debaixo do nariz de cada um de nós. E em cada amanhecer é dada a todos a oportunidade de viver um lindo dia, uma nova vida, uma diferente forma de experienciar o que virá.

Dê-se uma nova oportunidade. Comece exercitando a gratidão.

Viviane Battistella